Highlight do Velocity-2017

19105543_1328806500508358_916937374151096780_n

O segundo dia do Velo-City 2017 focou nos aspectos práticos do ciclismo, especialmente seus reflexos na economia. Os valores são bem claros: a cada ano a União Europeia ganha 513 bilhões de euros por causa do ciclismo. Um dos maiores ganhos está ligado à saúde e o segundo lugar está relacionado a compras, o que significa que os shoppings não precisam investir tanto criar malls muito afastados da cidade.
Países em desenvolvimento estão enfrentando outros desafios. Nas Filipinas, por exemplo, existe muito pouco planejamento. A população da capital tem pouco acesso ao transporte público. Com seu crescimento econômico, o governo filipino tem copiado o modelo ocidental e investido em carros. Em média, um filipino gasta 20% do seu dinheiro com trânsito. A bicicleta, por exemplo, é gratuita. A bike preenche esse espaço deixado pelo transporte público deficitário.
Sem dúvida, pacientes com Parkinson também estão se dando bem com a bike. Em estudo mostrado na conferência, pacientes com essa síndrome ou com outras similares têm dificuldade para andar. Mas pedalar não é um problema para eles. Além disso, os pacientes se movem melhor depois do exercício e o processo do Parkinson é retardado. Um paciente de 80 anos lançou sua startup com sua bicicleta-patinete.