A ÚNICA VIA DE SAÍDA

1117421

 

A modernidade trouxe em seu bojo uma estrutura nefasta de constante poluição, sedentarismo e consumismo exacerbados. Isso que em outras palavras se traduz em baixa qualidade de vida. Viver nunca foi tão caro e a vida nunca foi tão barata.

O fenômeno urbano foi afastando as pessoas de seu local de trabalho e criou nesse meio um terceiro espaço que é o lazer. Ou seja, a locomoção se triangulariza entre esses 3 polos e o resultado é que estamos cada vez mais ansiosos para sair do trabalho, mas a distância de casa nos faz distrair pelo caminho, o que era mais gasto, mais necessidade de trabalho e menos tempo em casa. E todo esse trajeto, para ser “eficiente”, precisa ser feito de carro.

Só que eficiente para quem, não é mesmo? Eficiente em aumentar a emissão de CO2, em nos tornar dependentes e reféns do trânsito engarrafado, desconhecedores da nossa própria cidade e com cada vez menos tempo de ser saudáveis. A pegada ecológica que deixamos no planeta é cada vez mais severa a ponto de geólogos afirmarem que estamos entrando numa nova era geológica (o antropoceno), era em que o homem modificou tanto o meio que suas marcas estão registradas na rocha.

Se nós escolhermos uma maneira mais eficiente para nos transportarmos de casa para escritório e vice versa, poderemos reduzir as emissões de CO2, contribuindo na luta contra o aquecimento global. A única via de saída já foi levantada há muito tempo por cidades e cidadãos com visão. A bicicleta é a melhor arma contra essa lógica.

Se fizéssemos o uso da bicicleta como meio de transporte todos os dias, haveria uma diminuição de uso de combustível fosseis poluentes e que são grandes emissores de gás carbónico que são maléficos a vida humana, e que contribui para poluir a atmosfera com efeitos danosos para o clima e a vida terrestre. Corta-se o trânsito, não só física, mas simbolicamente. A bicicleta é uma resistência a esse processo. Cidades de visão são aquelas que adotaram 3 medidas simples:

  • Diminuir a velocidade em áreas residenciais
  • Criar infraestrutura segura para o ciclismo
  • Desenvolver sistemas de compartilhamento de bikes

Esses são passos consideravelmente simples que devolvem a cidade para seus maiores usuários: as pessoas.