UM PLANO DE MOBILIDADE MAIS GLOBAL

Setembro_600 x 358 px_04

A cada dia que passa, mais e mais pessoas adotam a bike como meio de transporte e têm a oportunidade de transformar suas vidas. Na verdade, é uma pena que o Estado não esteja acompanhando de forma efetiva as mudanças necessárias para tornar o CICLISMO uma atividade segura. Não se pode perder a oportunidade de dar um salto no setor da mobilidade Esse tema é fundamental para sermos felizes e ainda mais se considerarmos que a Cidade Maravilhosa vai sediar o maior evento de mobilidade cicloviária em 2018.

O Rio ainda não conseguiu dar um salto no setor da mobilidade. Os últimos 20 anos não ajudaram a mobilidade carioca. E por isso ainda estamos com apenas 1% de uso da bicicleta no país enquanto 7% em média nos países da Europa, mesmo com o clima europeu nem sempre ajudando essa transição. Por isso temos um desafio grande: precisamos de ciclovias, de ciclofaixas  e de integração do uso da bicicleta com o trânsito da  cidade.

Essa nova infraestrutura cicloviária robusta que não existe deveria fazer certamente parte do próximo plano de mobilidade da cidade. Além disso, as pessoas percebido que não é apenas o trânsito que deve ser discutido, mas tudo que ele envolve. Talvez a maneira mais simples de combater o aquecimento global, por exemplo, seja escolhendo uma forma alternativa de locomoção, diminuindo pela metade o uso do automóvel, substituindo-o por uma bicicleta.

As pessoas perceberam que com isso podemos reduzir as emissões de carbono no mundo. As pessoas perceberam que isso tem um impacto claro na qualidade de vida do planeta e que só teremos uma boa cidade se cada um contribuir para a diminuição da produção de dióxido de carbono (CO2) na atmosfera. 

No livro do ex-vice-presidente americano Al Gore, “Uma Verdade Inconveniente” inicialmente nós do Camelo não percebemos o que o título realmente queria dizer. Antes achávamos que o que era inconveniente era ficar defendendo a causa do meio ambiente. Nada disso: a verdade inconveniente tem a ver com o comportamento individual de cada um. Ninguém quer colocar o dedo na ferida e perceber que quem está superaquecendo o planeta somos todos nós.

Todos temos nossa parcela de culpa. O que nós percebemos agora é que no caso do tema da mobilidade, nós não podemos continuar a desperdiçar o nosso precioso tempo engarrafados no trânsito, nas filas, na espera pelo transporte. O uso da bicicleta como meio de transporte tem provado ser uma opção eficiente, saudável e barata. E tem mais: bicicletas são um transporte ativo não poluente, que é seguro, rápido e ecologicamente correto.

Andar de bike é um exercício gostoso, que se faz com prazer e que traz um benefício geral e democrático. No próximo engarrafamento que você enfrentar, considere a ideia de usar a bicicleta como meio de transporte urbano viável e possível e ajude o Camelo Urbano com ideias e sugestões.