CIDADANIA CARTÃO DE CRÉDITO

DNT 24-06-2017 SAO PAULO - SP / EMBARGADO / CIDADES METROPOLE OE / PRACA HORACIO SABINO - Movimentacao na Praca Horacio Sabino na Vila Madalena, zona oeste de Sao Paulo. Area foi revitalizada gracas a mobilizacao de moradores da regiao - FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Movimentacao na Praca Horacio Sabino na Vila Madalena, zona oeste de Sao Paulo. Area foi revitalizada gracas a mobilizacao de moradores da regiao – FOTO DANIEL TEIXEIRA/ESTADAO

Muitos são os momentos em que o Estado é omisso diante das necessidades da população. No Brasil, existe até a cultura do Estado omisso, onde o poder público nada faz e a população apenas reclama, mas também não reivindica. Esse é um círculo vicioso da política brasileira que, de tão nefasto, não nos deixa prosseguir.

Uma busca rápida na internet vai te levar a várias iniciativas em que a população local faz uma “vaquinha” para repaginar a praça do bairro. Isso pode parecer bastante engajado, mas a verdade é que esse tipo de emenda sai muito pior que o soneto.

Primeiro porque cria a sensação de que aqueles lugares revitalizados pertencem aos cidadãos que financiaram essa manobra. Ora, nós sabemos que não é qualquer cidadão que tem renda para pagar a reforma do parquinho. Então, acaba que esse espaço de iniciativa particular pode ficar restrito a apenas alguns grupos.

Segundo porque é justamente para isso que pagamos impostos. Já somos taxados para que os espaços urbanos sejam bem cuidados. E se isso não acontece, o melhor a se fazer é exigir movimento. É um trabalho difícil, cansativo. Requer bastante suor, persistência, tenacidade. É responder com política, e não com poder econômico, uma questão essencialmente (de má vontade) política.

Devemos sim ser independentes do Estado, engajados; devemos tomar iniciativas para que a vivência coletiva seja a melhor possível. Mas todo esse engajamento deve acontecer no sentido de relembrar que o Estado precisa ser Estado, seja ele maior ou menor, e independente do espectro político a que ele se afilia.