ATRASO MARCA A NOVA ADMINISTRAÇÃO CARIOCA

images.duckduckgo

Depois de ter amarelado bonito no Carnaval, se esquivando de uma festa que é a cara do Rio de Janeiro, o prefeito Crivella deu início a mais uma batatada astronômica. O furo dessa vez só mostra como nosso atual prefeito tem uma mentalidade retrógrada.

É inadmissível que o “pastor”, aliás, “ex-bispo” da Igreja Universal do Reino de Deus (IURD), pretende construir 9 (NOVE!) estacionamentos subterrâneos na cidade. Copacabana deve ganhar três deles. Os outros vão para Barra, Leblon Ipanema, Gávea, Madureira e Centro. Como se já não bastasse o caótico engarrafamento que o Rio apresenta, agora teremos mais motivos ainda para tirar o carro de casa. A medida do prefeito novato só mostra como ele está pouco antenado com as tendências de outras cidades grandes pelo mundo, cujo discurso está recheado de propostas de criação de novas ciclovias.

Cidades como Copenhague, Amsterdam, Londres e Paris tomaram decisões políticas radicais na busca de soluções cujo foco é o cidadão. Governantes que têm como foco desafogar o trânsito e aumentar a qualidade de vida das pessoas. Não é o caso da nova administração carioca.

Esta solução irá somente promover um maior afluxo de carro por minuto e provocar enormes engarrafamentos, refletindo por toda a cidade do Rio de Janeiro. Ao pensar nessa solução, a prefeitura posterga para outro momento o pensar de uma cidade para o cidadão. Propor estacionamentos subterrâneos talvez não seja a única solução. Paralelamente, seria importante que a prefeitura investisse em engenharia de trânsito, para traçar também novas ciclovias, ciclo-faixas, ciclo-faixas reversíveis, enfim todo um aparelhamento para tornar a bicicleta um meio mais seguro de transporte urbano, que não é poluente, e traz incalculáveis benefícios ao meio ambiente.

Uma cidade sustentável certamente não é uma cidade em que somos obrigados a passar, no mínimo, três horas por dia dentro de um carro preso no congestionamento, como demonstra a pesquisa de uma empresa holandesa que analisou dados de GPS e aplicativos para celulares. Dos nove municípios brasileiros avaliados pela empresa TomTom, a Cidade Maravilhosa é a mais congestionada